ECO BLOG

...Um espaço para pensar verde

9 de jun de 2011

Café, barista e novas concepções de consumo

                  Num mundo cada vez mais globalizado e exigente, onde a tecnologia pode encurtar distâncias e tornar a vida muito mais fácil, bastante se tem comentado sobre a importância de conhecer a origem dos alimentos. Saber como e onde um alimento ou bebida foi produzido, que tipo de tratamento recebeu até chegar ao nosso prato se tornou assunto de todos aqueles que buscam uma maior qualidade na hora de apreciar uma boa refeição.
Por exemplo, conhecer a origem dos legumes e verduras que consumimos diariamente, bem como seu cultivo e modos de preparo. Pode consistir numa tarefa difícil, hordiernamente, com tanta oferta de lanches rápidos e muito calóricos. Porém, não é impossível! Tudo pode se resumir numa mudança de atitude, reorganização da rotina alimentar e vontade de buscar o melhor para sua saúde e bem estar.
Vejamos a trajetória do café: imagine que tudo começa com uma bonita florada no auge da primavera nas regiões produtoras como o sul de Minas ou o Cerrado Mineiro, dando início à saga do fruto que pode render excelentes xícaras de café. Assim como a uva, usada para elaborar o vinho, os frutos do café dependem do local de cultivo e do cuidado na colheita e secagem de suas sementes que, depois de torradas cuidadosamente, serão transformadas no delicioso vinho negro (do árabe “kawah”).
É nesse momento que a habilidosa e treinada mão de um profissional pode transformar a experiência de deliciar-se com uma xícara de café numa verdadeira viagem dos sentidos. O “barista” é a pessoa que tem a missão de preparar da melhor forma possível essa brasileiríssima bebida. A partir de um contínuo treinamento, tanto em suas habilidades e controles de máquinas e equipamentos para preparar o café, quanto no estudo constante sobre as particularidades deste grão. Esse profissional pode transformar cada consumidor num apaixonado por café ao oferecer atraentes e variadas opções usando como base essa bebida tão apreciada no mundo inteiro.
O mercado de produtos orgânicos é predominantemente constituído por consumidores conscientes das questões ligadas à saúde e questões de caráter ambiental e social. O consumo de cafés especiais, como o café orgânico, gourmet, sombreados e socialmente justos, está aumentando. Os preços destes cafés no mercado nacional e internacional são mais atraentes para os produtores, como consequência de suas características de produção, qualidade e menor oferta.
A cafeicultura orgânica no Brasil tem mantido taxas de crescimento anuais elevadas e ocupa grandes áreas de cultivo e muitos produtores q investem neste setor. Entretanto, é preciso investir esforços na produção de café orgânico, aliando qualidade e sustentabilidade sócio-ambiental, garantindo assim competitividade nas exportações.
Pense nisso! Vamos conhecer um pouco mais sobre essa bebida que tanto mexe com nossos sentidos? Que tal uma opção orgânica? Experimente!...

2 comentários:

  1. Eu e o Darlan tivemos a oportunidade e privilégio de estarmos presentes na inauguração do ECO e, sem sombras de dúvidas, é um excelente espaço gastronômico orgânico. Sempre que formos à Pelotas marcaremos presença. Parabéns a toda equipe e principalmente ao Lili por proporcionar uma opção naturalmente saborosa aos pelotenses.

    ResponderExcluir
  2. O ECO é o paraíso das delícias, das coisas puras e sabores perdidos, uma vitória genética expressa nas variedades crioulas!
    Parabéns empreendedores!

    ResponderExcluir